25 de ago de 2013

Pintando Memórias



Pintando Memórias




O que são memórias senão registros? A memória não é algo que se pega com as mãos, mas é algo que é vivenciado, percebido. E a memória é o que é, servindo no máximo pra uma só coisa: guardar. Ou seja, a memória não pensa, nem cria pensamentos!
Sendo assim, algo tem que ter esta função… O que deveria ser senão o intelecto? O intelecto é uma espécie de ferramenta que usa memórias para criar raciocínios, pensamentos, ideias. É o intelecto que trabalha de verdade enquanto as memórias… apenas curtem ser o que são e pronto! Ele possui as tarefas de escolher, decidir, direcionar o fluxo e as combinações de memórias. Você ainda não perguntou onde tudo isso acontece? Pois acontece na mente! A mente é o ambiente importante para o intelecto mexer com as memórias pra lá e pra cá. Puxa vida! Memória tem vida mansa e nem sabe quando são esquecidas ou lembradas, sabe por que? Porque elas precisam de algo muitíssimo importante para “darem conta de si”: a consciência! Na verdade podemos entender que “consciência é a percepção que o ser tem de sua própria existência”- tipo a famosa frase “penso, logo existo”. Está tudo resumido aí: pra pensar é necessário ter registros (que são as memórias), saber sobre o que pensar (que é tarefa do intelecto) e um lugar pra tudo isso acontecer (na mente).

 

Lapsos de memória – ãh?

Lapso, falha, branco total na memória. Isso já aconteceu com você? E não me diga que tem mais de 60… puxa! Tenho uma informação até muito agradável para todos nós: lapsos de memória não tem haver com a idade. Não é “porque já estou velha… porque já estou velho…” que os lapsos de memória podem deitar e rolar. Onde já se viu algum cientista afirmar com tanta convicção que “nossa memória funciona bem até os 60, depois disso nada é garantido”? Em meus 11 anos de dedicação aos aspectos do bom funcionamento da memória ainda não vi nada parecido, perdoem-me o pouco estudo caso esteja enganada.
O fato é que quando se chega na terceira idade o somatório da qualidade de vida até ali fica “carimbada” em nosso físico, psíquico, mental e espiritual. Por exemplo: se eu passei a vida toda abusando do açúcar, da gordura, do sal, de coisas industrializadas, alimentação pobre em verduras, frutas e legumes com muita chance terei problemas de saúde, se meu santo não for forte. Pressão alta, pressão baixa, diabetes, problemas circulatórios e muitas outras situações não são “devido idade”. Posso concordar que com o passar dos anos todo nosso corpo físico vai ficando mais “gasto, frágil e cansado”, mas se eu cuidar dele com toda atenção e zelo, é possível passar por esta vida intacto quanto à doenças terríveis, caso eu queira viver o máximo possível de forma saudável para aproveitar todas as oportunidades. Pode parecer que estou falando para os mais novos. Pois bem, estou falando mesmo já que desde cedo há chances de melhorar a qualidade de vida para quando mais velhos (com licença para usar a expressão “velhos”, com muito respeito e admiração!). Para quem já se considera na terceira idade sinta cada dia como o mais importante de todos, valorizando cada instante, seja para ser feliz, seja para aprender algo. O que quero dizer com isso é que até mesmo com o azedume das tristezas você pode fazer “aquela limonada” (lembram do ditado do limão?).
Mas vamos voltar aos “lapsos de memória”: eles poderão acontecer de acordo com 2 grandes maneiras: temporários ou recorrentes. Vejamos o quadro abaixo para melhor compreensão:
LAPSOS TEMPORÁRIOS
Acontecem de acordo com uma situação. Relacionam-se com situações agudas comuns no dia a dia:
- estresse agudo;
- cansaço momentâneo;
- noite mal dormida;
- fortes emoções;
- ingestão de álcool/drogas de forma social;
- sobrecarga mental;
Podem ser considerados comuns em qualquer faixa etária.
LAPSOS RECORRENTES
Acontecem em qualquer situação. Relacionam-se com situações crônicas relacionados a quadros clínicos:
- estresse crônico;
- fadiga crônica;
- desidratação;
- desnutrição;
- interações medicamentosas;
- efeitos colaterais de determinados medicamentos;
- distúrbios hormonais (diabetes);
- disfunções fisiológicas (deficiência de vitamina B12);
- doenças psíquicas como depressão;
- ocorrências que afetam estrutura do cérebro (traumatismos, AVC);
- doenças que destroem os neurônios (demências);
Precisam de atenção especial em qualquer faixa etária.
Experimento que a melhor maneira de você garantir seu bem estar e segurança pessoal é saber avaliar qual a origem de seu lapso e dar a ele o tratamento devido, sem esquecer de dar umas boas risadas durante ou depois do ocorrido. Garanto que o bom humor aliviará muito os sintomas indesejáveis de uma “pegadinha de sua memória”!

Fonte: http://www.aterceiraidade.com


 

Nenhum comentário: